sábado, 22 de julho de 2017

A vida como encontro | José Mauricio de Carvalho

A vida como encontro

Não há fato mais banal que o reconhecimento de que a vida humana se tece nos relacionamentos. Essa é uma realidade decorrente do caráter social do homem. No entanto, quando pensamos a vida humana como encontro queremos dizer mais do que simplesmente que estamos ao lado dos outros e que nos tocamos mutuamente. Autores importantes como Ortega y Gasset e Martin Buber, embora pensem a vida humana diversamente, destacam relevância da vida como encontro.
Buber pensará o tu como um mundo próprio, diante de quem é possível estabelecer o encontro. Seu olhar perspicaz si dirige para o que ocorre no momento do encontro e ele destacará a importância do que ocorre entre os dois eus, ambos serão moldados pelo entre que surge entre eles. E ainda mais significativo é o fato de cada Eu descobrir que esse Tu a quem cada qual dirige a palavra pode ser o próprio Deus. Esse Deus que Buber insiste devemos chamar de Tu, ou Grande Tu, é o mesmo que Jesus de Nazaré chamou de Pai. Nesses dois casos o que se destaca é a relevância da intimidade desse encontro com Deus. E Buber destacará o fato de que num mundo em que Deus não se mostra facilmente a construção de uma vida autenticamente humana fica dificultada e a relação com outros homens como Tu fica prejudicada. O horizonte existencial do homem se limita ao encontro o isso, que é a forma do pensador se referir às coisas.
De modo semelhante Ortega destacará o encontro com o Tu na vida pessoal, mas o foco para Ortega não é o entre os interlocutores, mas a experiência da outra perspectiva na minha vida. Cada qual vive a própria existência e a experimenta como radical solidão. O que se passa com o outro é um episódio a que assisto, sua dor de dente dói nele. Posso imaginar que sofre, mas não posso vivê-la por ele, mas posso me educar assim. Apenas o indivíduo pode ocupar seu lugar no espaço e apenas ele pode escolher sua própria trajetória existencial. Sua referência fundamental é a cultura como a realidade de referência que é capaz de orientar a existência de forma autêntica pelo balizamento do que o pensador denomina fidelidade ao núcleo mais íntimo de si e respeito aos outros.
É importante destacar que em ambos os pensadores o encontro é a base de uma existência autenticamente humana e em ambos a presença do outro (Tu para Buber e o Nós para Ortega) é anterior à consciência subjetiva, isto é, à descoberta de nossa vida singular ou de nosso eu. E assim, num e noutro caso a educação é o elemento decisivo na construção de uma vida humana, educação não apenas como aprendizagem do funcionamento do mundo natural, mas educação enquanto preparo para viver em sociedade como cidadão e para conviver humanamente.
Os esclarecimentos e aprofundamentos desses pensadores confirmam o que a Psicologia identificou, percebe-se a enorme importância de encontros pessoais e intensos como parte de uma vida humana. Encontros que são fundamentais na infância, embora conservem sempre esse caráter pedagógico. Encontro não significa a destruição de cada eu, mas sua afirmação diante do Tu, como diz o poeta: “que tenho de ver-te e não te posso ver, de ti separado por meus próprios olhos; que estás aí sentada, nascida tão totalmente fora de mim, isso me dói, como dores de parto”. Assim, de um lado é importante cuidarmos da educação de nossas crianças na formação de sua humanidade, por outro esse é processo de que devemos sempre nos ocupar. Esses encontros fundamentais são pautados na ética e no amor, ou em ambos.
José Mauricio de Carvalho

Academia de Letras de São João del-Rei