terça-feira, 15 de abril de 2014

“NINFOMANÍACA”, UM FILME SEM HISTÓRIA - Por Luís Fernando Franco Martins Ferreira (Resenha)

“NINFOMANÍACA”, UM FILME SEM HISTÓRIA


 No filme “Ninfomaníaca”, de Lars von Trier, não há personagens, mas conceitos. 

Com efeito, o duelo verbal entre Joe e Seligman reproduz a provecta ruptura filosófica entre corpo e alma, sistematizada já com rigor desde, pelo menos, a obra de Platão. 

Tal cesura na Filosofia, cabe observar, mostrou-se muito fértil e duradoura, com desdobramentos na oposição entre aparência e essência, hedonismo e estoicismo, empirismo e racionalismo, existencialismo e estruturalismo, arte e ciência, enfim, entre o mundo dos sentidos e o mundo da inteligibilidade. 

Mas tais dicotomias, a saber, tais conceitos opostos e estanques passaram por uma rigorosa reavaliação por intermédio da dialética de Hegel e Marx, para os quais a inteligibilidade reside no tempo, quer dizer, no processo histórico. 

Sucede, no entanto, que esses dois pensadores dialéticos somente consideraram a história da sociedade e ofuscaram, destarte, a história individual. 

O indivíduo e sua história foram mais recentemente prestigiados em autores como Freud e Piaget, os quais perceberam e sistematizaram com nitidez a inteligibilidade do evolver temporal de cada ser humano. 

Mas, retomando a película de Lars von Trier, impõe-se dizer que Joe e Seligman não têm história, não evoluem, pois a sexualidade da primeira é constante, homogênea e onipresente desde a infância até a velhice, ao passo que a do velho Seligman é nula desde sempre. 

Assim, os personagens dissolvem-se em conceitos atemporais, na dicotomia entre corpo e alma, e perde-se qualquer inteligibilidade. 

Cabe indagar: será que Von Trier preocupa-se com inteligibilidade? Creio que não, conquanto o cinema mostre a imagem no tempo, com abranger, portanto, sentido e processo. Logo, uma arte que poderia ensinar. 

Por Luis Fernando Franco Martins Ferreira
Historiador e Advogado.