terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

A vida como um canhão que constrói por Tulio Barbosa. *


A vida como um canhão que constrói
por Tulio Barbosa. *

A vida como um canhão que constrói
Como um canhão concebido sem pecado
Pela bala que circula o ritmo
Como um ar que sobra nos canhões
A pleno trovar os disparos.
Como um canhão que constrói por tiros
Sem derrubar sangue nas pedras
Como canhões edificadores de toda a humanidade.
Como aquele brilho sem assustar
Pelas tardes tão riscadas
As palavras desapegadas ao som dos projéteis.
Como um cavalo que puxa o canhão
para colocá-lo na estrada com balas em plenos pulmões.
Os sopros delineam o vento e continuam
Os sopros das balas como construtores
Nestes dias voaram as almas
sem partirem dos corpos.
Como uma bala de canhão ao meio-dia
Chispa o sol desnudo de comiseração
Cintila pouco a pouco a cor de tudo
Como um canhão que constrói
Pelos vultos certos do caminho
Perante a estrada sem deus ou milho
Caminha a vida.


Túlio Barbosa 
Geógrafo prof. Dr. da Universidade Federal de Uberlândia - UFU